Archive for outubro, 2006

O que fazer antes, durante e depois

Época São PauloA revista Época nº438 circulou, em São Paulo, com uma edição especial sobre educação, voltada para o Vestibular 2007, que trazia “um guia de 109 faculdades em São Paulo”. Essa revista dá boas dicas para quem vai fazer vestibular, mas uma matéria me chamou especial atenção: Mostre seu currículo oculto, escrita por Christiane Brito e Pedro Henrique França, diz que “ser um aluno curioso e atento (…) é essencial para uma formação básica sólida”. Mas ela lembra ao estudante que isso não é o bastante. “O hábito da leitura, freqüentar museus, ler jornais e gibis* assistir a programas de TV a cabo, ir bastante ao cinema, escrever um diário ou fazer um curso de teatro são atividades que proporcionam uma visão ampla e receptiva da vida”, complementa a matéria. E é verdade. O tal currículo oculto é útil às mais diversas profissões. A matéria selecionou seis delas e Jornalismo está entre as escolhidas. Como não achei esse texto na internet, reproduzo abaixo a parte referente a essa profissão com sete comentários pessoais.De qualquer maneira, não deixem de visitar o site da revista Época periodicamente.*(N.R: Revistas de quadrinhos ou “arte seqüencial”, como o mestre Will Eisner assim desejava)O que você deve fazer antes, durante e
depois de entrar para uma faculdade de
JORNALISMO

Antes
> Coloque os jornais e revistas na sua vida cotidiana
O estudante de jornalismo tem que ter um repertório de informações acima da média. Ter a assinatura de um jornal diário ou revista semanal é obrigatório*(1). Rache o custo com amigos e compartilhe as publicações. Na internet, há várias newsletters online que você pode assinar gratuitamente. Esse é um bom caminho para tomar gosto pela notícia e conhecer diferentes estilos de redação.

> Escreva muito
Você pode começar por um diário. Isso não é coisa de adolescente não, é coisa de escritor: Carlos Drummond de Andrade foi um dos que revelaram ter mantido diário quase a vida inteira. Para melhorar ainda mais o estilo, você pode fazer curso de redação criativa. *(2)

> Faça curso de inglês
Jornalistas que não falam inglês, hoje, têm opções restritas no mercado. No futuro, inglês será pré-requisito de toda contratação. Para melhorar o ouvido e ampliar o vocabulário vire um devorador de séries e filmes legendados na TV a cabo. Aproveite o recurso dos DVD players e coloque legenda em inglês para acompanhar os diálogos. É excelente para afinar o ouvido e a leitura. O importante é falar e entender.

Durante
Curse um segundo idioma
> Saber duas línguas estrangeiras é uma vantagem. Espanhol, italiano e francês são boas opções. *(3) 

Faça um curso que desenvolva o pensamento crítico
> O jornalista tem de apresentar opinião embasada em argumentos consistentes. Cursos de extensão em política e ciências sociais podem ser uma boa pedida. Filosofia também.

Faça estágio
> Jornalismo não é só teoria. Quem nunca viveu a pressão do prazo apertado de um fechamento de revista ou jornal ainda não sabe o que e´ser jornalista. *(4)

Depois *(5)
> Curse outra faculdade na área de humanas
O jornalista sai da faculdade conhecendo, principalmente, técnicas de produção de conteúdo para vários meios de comunicação. Daí a necessidade de uma segunda formação acadêmica, na qual possa se aprofundar num campo do conhecimento. Muitos optam por Ciências Sociais, Letras ou História. Também pode ser um mestrado, afinal, qualquer semelhança entre a pesquisa acadêmica e a boa reportagem não é mera coincidência.

> Faça curso de especialização
Se voltar ao banco de uma faculdade não está nos seus planos, então parta para um curso de especialização na sua faculdade ou em outras faculdades de jornalismo. Entidades como a Associação Brasileira de Comunicação Empresarial (Aberje), Comunique-se*(6) e Associação Brasileira das Agências de Comunicação (Abracom) também oferece cursos de especialização *(7). Pesquise os sites.
Saindo das águas brasileiras, você pode acessar www.universia.com.br e pesquisar as opções em cursos das 985 faculdades de dez países reunidas no site.

Fonte: Welington Andrade, coordenador de ensino de jornalismo da Faculdade Casper Líbero

————— Comentários:

1 – Não diria que “ter a assinatura de um jornal diário ou revista semanal é obrigatório”, até porque, o ideal é ler e comparar diversas publicações. Por isso a dica de compartilhar publicações é muito mais importante. Mas leia diariamente! Leia muito!

2 – Crie um blog e procure comentar assuntos atuais e importantes e também escreva sobre temas que você domina.

3 – Mandarim também.

4 – Eu costumo dizer que quem não passou por uma redação de jornal, de preferência diário, não é um jornalista completo.

5 – Pouca gente se estimula a fazer uma segunda faculdade, ou por falta de dinheiro ou de motivação. Dê mais atenção a cursos de aperfeiçoamento e dentro da área onde você vai se especializar como jornalista. Ou então passe alguns meses em outro país. Isso, algumas vezes, pode valer mais do que uma segunda faculdade.

6 – Na verdade, o Comunique-se não é uma entidade, é um site. Ou melhor, é um “portal brasileiro totalmente voltado para profissionais de comunicação“. E, como está publicado no próprio site, sua missão é “divulgar notícias de bastidores do mercado jornalístico brasileiro, colocar em discussão aspectos práticos e éticos da profissão, além de fornecer ferramentas de apoio para o trabalho diário dos jornalistas de todo o país.”

7 – A matéria esquece de mencionar a quase centenária Associação Brasileira de Imprensa, a casa do jornalista. Um entidade que sempre lutou pela liberdade de imprensa e pela democracia no Brasil. Neste ano a Associação criou alguns cursos de especialização.

Anúncios

30 outubro, 2006 at 2:17 am Deixe um comentário

A turma é mesmo boa!

A notícia mais bombástica, mais sensacional, mais grandiloqüente desta semana, nos bastidores da imprensa brasileira, foi a decisão da I Copa Imprensa de Futebol, que aconteceu no sábado passado com uma goleada do timaço da Folha Dirigida [ ;>) ] sobre a TV Bandeirantes. O terceiro lugar ficou com a equipe da TV Globo.

Não vou nem escrever mais nada, pois sou suspeito para isso. Mas visite o site do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado do Rio de Janeiro – que apoiou o evento, com o patrocínio da Amil e realização da Euro Comunicação – para ler a matéria completa e ver fotos das equipes finalistas. E veja como o Comunique-se também noticiou esse grande evento!

Hoje, às 18 horas, toda a turma da Folha vai comemorar com um lauto cacharolete mais essa conquista… Como diria o Ibrahim, “sorry, periferia”.

25 outubro, 2006 at 1:28 pm Deixe um comentário

Juliana manda notícias

Juliana AquinoNossa colega Juliana Aquino nos envia notícias fresquinhas sobre sua carreira. Ontem ouvi a música Don’t Let Me Be Misunderstood, de seu recém-lançado CD DiscoBossa, na novela Páginas da Vida e me lembrei dela. Estava em falta, pois soube de seu site novinho em folha no dia em que ele entrou no ar. E nem dei informação alguma aqui! Mas foi absoluta falta de tempo, pois tinha que postar muitas coisas que estavam atrasadas. Mas, com as informações que acabei de receber em seu e-mail, este texto vem repleto de novidades. Então vejamos:

1 – A música Dont’t Let Me Be Misunderstood também está na trilha sonora lounge da novela Páginas da Vida (o que vem comprovar o famoso ditado que é devagar que se vai ao lounge… não resisti);

2 – Você pode ouvir trechos das músicas do CD no site da Juliana. A que está na novela é a que abre o disco. E também pode conferir outras informações sobre o projeto;

3 – O CD já está à venda em ótimos sites, como os da Saraiva, Fnac e Submarino. Também estará na rede de lojas da Saraiva e da Fnac, na Banana Records (Av. Lorena 641 e Shopping Iguatemi, em Sampa) e nas Livrarias Argumento, Letras e Expressões e da Travessa, todas do Rio.

4 – Juliana já tem vários shows marcados. Os corporativos (fechados para convidados, muito comuns nesta época do ano) não poderemos ir, mas já está marcado um pocket show na Fnac Pinheiros no dia 24 de novembro às 19 horas. Todo mundo lá, hein!!!

5 – No Rio de Janeiro, ela se apresenta no delicioso Mistura Fina. Lá, há muitos anos, fui convidado pelo Márcio Montaroyos para assistir a um show dele. Foi ótimo! Quero estar lá para ver a nossa cantora, agora!

Juliana promete nos manter informados sobre as novidades e pede a todos para apreciem DiscoBossa, uma “delícia de álbum”. Ela confessa que de tudo que já gravou na vida, “este é o único trabalho que fica no toca CD direto”. E finaliza: “A qualidade musical e sonora é incrível e o repertório é delicioso!”.

Eu e meus alunos já sabemos disso!

24 outubro, 2006 at 9:00 pm Deixe um comentário

E lá se foram 100 anos

!4-BisMuitas homenagens celebrando o feito de Santos Dumont aconteceram neste mês e se acentuaram nos últimos dias: no domingo a TV Cultura e a Rede Globo fizeram a sua parte apresentando com programas especiais sobre o vôo do 14-Bis. Nesta segunda-feira, o jornal O Estado de S. Paulo publicou um caderno especial sobre o inventor. Mas a Editora Abril lançou um DVD com o documentário da BBC, Santos Dumont – O Homem Pode Voar (clique aqui para ver um trailer do filme). Ele também está à venda nas bancas de jornal. Mas não confundir este lançamento da Abril, com o ótimo documentário O Homem Pode Voar, de Nelson Hoineff que recentemente era exibido em alguns cinemas da país (leia entrevista com o diretor deste filme, aqui). Viste a página deste documentário no site Adoro Cinema e matéria sobre a estréia no cinema, clicando aqui e aqui.

Com Santos Dumont o homem aprendeu a voar com um aparelho mais pesado do que o ar, sem ser impulsionado por uma catapulta.
Para saber mais, visite também o site Alô Escola, da TV Cultura e o site criado especialmente para comemorar os 100 anos do vôo do 14-Bis. (que traz mais informações sobre o filme O Homem Pode Voar).

24 outubro, 2006 at 2:28 am Deixe um comentário

Erramos, na Folha

Erramos distraidamenteJá conversamos, em sala de aula, sobre a louvável seção errata do jornal Folha de S.Paulo, intitulada “Erramos”. Vimos que, algumas vezes, a Folha tem que publicar uma correção de um erro tão “curioso” que a emenda se torna engraçada. Com o passar do tempo, essas correções geraram uma espécie de anedotário que a própria Folha selecionou numa antologia do erramos, que está publicada no site Círculo Folha, um espaço na internet onde o internauta pode encontrar, entre outras coisas, a história do jornal,  seu projeto editorial, o manual de redação, curiosidades e algumas dicas do programa de qualidade, além de ter links diretos para o ombudsman e o ótimo Almanaque. Mas a antologia do erramos é mesmo visita obrigatória para quem quer conferir alguns descuidos que foram publicados nesta seção desde 1991. As notas estão reunidas em capítulos e agrupadas de acordo com o tipo de erro.

19 outubro, 2006 at 5:23 pm Deixe um comentário

Bravo!!!

Revista Piauâ height=Como meus alunos estão cansados de saber, eu sempre repito em sala: quem quer, um dia, ser um (bom) jornalista, tem que ler, ler, ler. Ler sempre. Não só para tomar ciência dos fatos que acontecem à sua volta, neste mundo tão pequeno. Mas para ter uma relação íntima com a palavra. Desnudá-la, tocá-la profundamente. Para se apaixonar pela forma, pela escrita. Ler e descobrir onde cada autor busca seus caminhos e suas entrelinhas. Para vibrar com aquele momento que você, quase analfabeto, se percebe descobrindo como cada vocábulo se casa perfeitamente com outro, e com outro, e juntos constroem uma idéia impressa no papel. E, algumas vezes, destroem mitos, denunciam as mazelas; em outras, simplesmente, se encantam com uma pedra no caminho.

Não é à toa que, quando soube do lançamento da revista Piauí, vibrei: “afinal, uma revista que tinha tudo para ser diferente!”, pensei.
No domingo, um dia antes de sua chegada às bancas, li o texto Uma revista chamada “Piauí” , de Sérgio Rodrigues, publicado no site No Mínimo, e fiquei ainda mais curioso. Finalmente, no dia seguinte, consegui comprá-la e não me decepcionei! Que belo exemplar de publicação! Textos brilhantes, daqueles que você não consegue parar de ler. Uma diagramação sóbria, elegante, com ilustrações e fotos de alto nível. Realmente imperdível!

Mas, qual é a linha editorial da revista? Responde um de seus idealizadores, o cineasta João Moreira Salles, numa matéria de Sylvia Colombo, publicada no site Folha Online:
“O ideal é que os textos sejam interessantes, bem escritos e divertidos. Aí cabem desde o stalinista até o sujeito da propriedade. Ninguém será excluído por sua posição ideológica”

Perfeito. A revista Piauí é puro prazer. É uma verdadeira aula de como escrever textos que seduzem o leitor. Por isso, repito novamente: leia, leia, leia. E agora você tem mais um motivo para ler: Piauí!

17 outubro, 2006 at 11:45 am Deixe um comentário

A violência da flecha dignifica o alvo

Paulo CoelhoNo site Por Trás das Letras, que acabei de descobrir, há uma área sobre curiosidades da língua portuguesa e lá encontramos algumas páginas que valem a visita, como uma relação de expressões interessantes de nossa língua; um estudo da letra do Hino Nacional e divertidas trava-línguas. Mas o texto As “pérolas” de Paulo Coelho me chamou especial atenção. Primeiro, porque o autor, prof. J. Milton Gonçalves, enumera, com uma dose de ironia, 36 erros de português que foram publicados na 159ª edição do livro O Alquimista, de Paulo Coelho. Depois, porque esse texto, mesmo com o humor cáustico empregado, termina sendo uma divertida aula de português até para aqueles que admiram um dos autores mais lidos no mundo. Veja um trecho:

dois dias atrás você disse que eu nunca tive sonhos de viajar.” (Pág. 86)
A impressão que fica é que PC adora brincar de escrever português. Qualquer pessoa com dois dedinhos de leitura descontraída sabe que e atrás não combinam.

De qualquer maneira, no final, o professor alivia um pouco as suas críticas ao elogiar o enredo do livro sem deixar de exigir, pelo menos, um bom revisor para os livros do romancista:
“O enredo do livro O Alquimista é interessante. Isso nos faz entender por que Paulo Coelho é um dos dez escritores mais lidos em todo o mundo. Li a versão em inglês, e fiquei encantado. Com certeza, ele faz jus a todos os prêmios que tem recebido até aqui. Mas uma coisa precisa ficar bem clara: enquanto Paulo Coelho não permitir que suas obras sejam revisadas por pessoas competentes, jamais será reconhecido, no Brasil, como um grande escritor, porque definitivamente nosso mago vendedor de livros não conhece o idioma em que se exprime.”

Eu, no entanto, não posso falar muito, pois a língua portuguesa nunca foi o meu forte. Ok, ok… eu nunca escreveria “há dois dias atrás“, mas isto não me redime. Gostaria de saber muito mais dessa tão sofisticada língua. Admiro quem é exímio com a palavra.

Paulo Coelho pode não ser uma unanimidade, mas já é um imortal, afinal ocupa a cadeira 21 da Academia Brasileira de Letras (ABL), onde se sentaram mestres como o escritor e jornalista José do Patrocínio, o teatrólogo Dias Gomes e o economista Roberto Campos, do qual o conhecido mago é grande admirador e que também foi o autor da frase que intitula esta postagem. Não podemos esquecer que o escritor foi parceiro de Raul Seixas em diversas músicas que marcaram toda uma geração.

Sugiro, como complemento à aula do prof. Gonçalves, a leitura do discurso de posse de Paulo Coelho na ABL.

Como curiosidade, visite a página do escritor na Wikipedia em inglês, em francês, em italiano, em alemão, em espanhol, em polonês… (pronto! chega!). 

O Alquimista, com ilustrações de MoebiusE ainda, finalizando, descobri que a edição do livro O Alquimista que está à venda no site da editora (clique na imagem do livro) é ilustrado por ninguém menos que Moebius, um dos maiores desenhistas de histórias em quadrinhos do mundo. Mas, isto é outra história que será tema de uma postagem no futuro.

Ah! E confesso também que nunca li um livro do escritor. Mas quando alguém fizer um bom filme baseado em uma de suas obras, serei um dos primeiros a comprar um ingresso. Principalmente se o Tom Hawks estiver no elenco. ;>)

16 outubro, 2006 at 4:28 pm Deixe um comentário

Posts antigos


Tópicos recentes

Feeds